sábado, fevereiro 4, 2023
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
InícioPOLÍTICABrasilNão há futuro para as marcas fora da atuação política - Meio...

Não há futuro para as marcas fora da atuação política – Meio & Mensagem

Notícias
Coberturas
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Agosto
Outubro
Novembro
Dezembro
Editoriais
Patrocinados
Séries
Brand Channels
Abril
Maio
Junho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro
Siga-nos
Siga-nos
Maíra Liguori
Diretora da ONG Think Olga e da consultoria Think Eva
Para quem entende de branding, esse é um dos insights mais relevantes apresentados no Eldelman Trust Barometer 2022
Início > ProXXIma > Opinião > Não há futuro para as marcas fora da atuação política

23 de setembro de 2022 – 7h52
(Créditos: Shutterstock)
A afirmação que dá título a essa coluna pode assustar num primeiro momento. Para quem entende de branding, esse é um dos insights mais relevantes apresentados no Eldelman Trust Barometer 2022, nesta quinta-feira (22/09).
De acordo com a pesquisa, a confiança no governo caiu 5 pontos percentuais em relação ao ano passado em todo o mundo, enquanto a confiança nas marcas aumentou 3%. Além do aumento da consideração das empresas como agentes sociais, há uma nítida aproximação do entendimento do papel do setor privado e o das ONGs, ambos atuando como estabilizadores da sociedade, diz o estudo. Os índices de confiança em empresas e ONGs são semelhantes, (64% e 60% respectivamente), assim como a expectativa de solução dos problemas complexos (de 50% a 60% dependendo do problema em questão).
Escutamos frequentemente que “empresa não é ONG, tem que dar lucro” e minha intenção aqui não é entediar vocês refutando este argumento. Sabemos que a pressão para que elas assumam seu lugar como agentes de transformação social não é novo. O que os dados apontam é para um chamado a um novo lugar para se ocupar dentro do capitalismo. A mudança, gestada desde os anos 1990, começou de fato na década passada, quando as marcas começaram a fazer um movimento nesta direção. Pela necessidade de conexão genuína com seu público, e o foco em colocar o cliente/ ser humano no centro, apostaram na representação de qualidade dos grupos minorizados. Uma mudança estética importante se iniciou então e ainda está em curso.
O discurso, no entanto, é verdadeiro se alinhado à prática. Empresas passaram a ser cobradas pelo que acontecia dentro de seus muros, como promoção de Diversidade, Equidade e Inclusão (DE&I) e ações para redução de impacto ambiental em suas operações. Uma postura ética conforme. Uma atitude que visa um legado para o negócio e para o mundo.
E agora, uma nova dimensão se impõe ao setor privado: a atuação política. Importante ressaltar aqui, não estamos falando da política institucional ou partidária. Mas, sim, nas implicações no que é comum para a sociedade, na atuação sobre a comunidade, na sua capacidade de resgatar o tecido social que está corroído. Com tantas mudanças na tecnologia, instabilidade econômica, sanitária, climática, com a crise de confiança generalizada, as empresas agora precisam se comprometer politicamente. As práticas ESG são um começo, mas, segundo a pesquisa da Edelman, a sociedade não acha que este papel está sendo cumprido a contento.
Aqui na Think Eva, em nossa jornada como consultoria de gênero para marcas e empresas, esse aspecto político das pautas tem sido um ponto de partida para os projetos. Em um momento em que as mulheres estão sobrecarregadas, vulneráveis, empobrecidas e em que as estruturas de apoio estão sendo desmontadas pelo Governo Federal (90% de corte do orçamento em combate à violência doméstica, por exemplo), como assumir seu papel político na defesa da população feminina? Para além do apelo Girl Power. Para além do employer branding. Qual é a transformação que sua marca tem nas mãos? Acredite: independentemente do mercado, do setor, da categoria, todo mundo pode fazer sua parte. Para fincar o pé no presente e mirar no futuro, a hora é agora.
Compartilhe
Veja também
Chatbots: 89% dos usuários de contas comerciais do WhatsApp já usaram
Yuri Fiaschi, da Infobip, explica as particularidades e evoluções da ferramenta
Qual a importância da representatividade na publicidade?
Cobrança por mais diversidade ganha força na sociedade e marcas procuram adequar suas campanhas e ações para refletir seu público real
01
Pesquisa da Havaianas revela o perfil da comunidade LGBTQIAP+ no Brasil
02
Novo episódio do Falas W2W debate negócios femininos no Brasil
03
Adriane Freitas, a mulher à frente dos reality shows no Brasil
04
Mulheres representam 71% dos influenciadores digitais com deficiência no Brasil
05
Cecília Alexandre: “Precisamos olhar mais para o que somos e confiar em nós mesmas”
01
Pesquisa retrata perfil das mulheres em conselhos no Brasil
02
Fernanda Ribeiro no Falas W2W: burnout, empreendedorismo e black money
03
As lições de Lisa LaFlamme e de Dove sobre o combate ao etarismo
04
Socorro
05
Cecília Alexandre: “Precisamos olhar mais para o que somos e confiar em nós mesmas”
Copyright 2010 – 2022 • Meio & Mensagem – Todos os direitos Reservados

source

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

%d blogueiros gostam disto: